Buenos Aires: câmbio, hospedagem, transporte…

Postado dia 12 de novembro de 2017

Nesse feriado agora do começo do mês, eu e o David fomos pra Buenos Aires! Nós ainda não conhecíamos a cidade, e eu adorei! Achei bem limpa, organizada, me senti segura e a arquitetura é incrível. Passamos 3 dias por lá, e aqui eu vou deixar algumas informações sobre a nossa experiência pra você que também tem vontade de conhecer a cidade argentina.

Passagem

Voamos pela LATAM e na ida tivemos uma escala em Córdoba. Como perdemos o horário para despachar a bagagem em Guarulhos, precisamos remarcar o vôo e acabamos passando uma noite no aeroporto. Na remarcação, a conexão que seria de 5h, passou pra 12h!

Chegando em Córdoba, já que estávamos lá, pensamos em sair pela cidade e dar uma volta nesse meio tempo que teríamos que esperar. Mas ai descobrimos que tínhamos dois problemas: o aeroporto não tem um locker que a gente pudesse deixar a mala (estávamos com uma mala média) e estava muito cedo pra podermos despachar; e também não tem nenhuma casa de câmbio lá que a gente pudesse trocar um pouco do nosso dinheiro. Conseguimos trocar R$20 no guichê do estacionamento, que usamos pra comer empanadas antes de pegarmos o próximo vôo e passamos as 12h nas cadeiras de espera mesmo.

Hospedagem

Pegamos um apartamento pelo airbnb. Os anfritriões Jorge e Celeste, pai e filha, são super simpáticos, solícitos e estiveram sempre disponíveis pras nossas dúvidas, e qualquer coisa que precisássemos. Nosso vôo chegaria dia 01 de manhã, com a remarcação, chegamos 01h da manhã do dia 02 e o Sr. Jorge nos recebeu, nos mostrou o apartamento e todos os detalhes.

O apartamento tem um estilo clássico/rústico, é super bem cuidado, arrumado e limpo. Pra chegar no quarto são dois lances de escada. Subindo mais um, tem um terraço onde mora uma gata lindona e toda carinhosa ♥

Ah, e o ap fica perto da estátua da Mafalda. Descobrimos isso quando estávamos procurando um lugar pra comer que ficasse aberto até tarde ali por perto, depois de um dia inteiro batendo perna. Inclusive, fomos na pizzaria La Continental, e quem atendeu a gente foi a Eugenia. Ela foi um amorzinho.

Tomadas e voltagem

As tomadas normalmente tem esse formato. Algumas tem só os “tracinhos”, como nos postos de recarga do aeroporto de Córdoba, outras tem as bolinhas nas pontas. Nós perguntamos ao Jorge antes de sairmos do Brasil, como eram as tomadas do apartamento, e como elas eram dessas com as bolinhas nas pontas, não precisamos levar adaptador. A voltagem padrão é 220v.

Câmbio

Nós levamos nosso dinheiro em reais mesmo e trocamos tudo lá. A melhor cotação que a gente achou, foi na Casa Alpe. Trocamos metade num dia pelo câmbio de 5,50 e a outra metade no dia seguinte, por 5,45.

No aeroporto (desembarcamos no Aeroparque) tem um guichê do Banco de La Nación, onde dá pra trocar, mas a cotação é mais baixa. Estava em 4,35 quando chegamos. Eu não sei o horário de atendimento deles, não tinha nada escrito, mas nós desembarcamos de madrugada (meia noite, mais ou menos) e não conseguimos trocar porque não tinha ninguém no guichê e não encontramos informação de que horas voltaria a funcionar.

Transporte

Para o trajeto aeroporto-apartamento-aeroporto nós usamos Uber. O app funciona normalmente como no Brasil, e aceita dinheiro. O que é muito bom, porque assim você não paga a taxa de iof no cartão de crédito. Como não conseguimos trocar o nosso dinheiro no aeroporto, essa primeira viagem pagamos com cartão de crédito, e no dia de ir embora, pagamos em dinheiro.

Lá em BA, pegamos uma vez o metrô até Palermo e ônibus para ir e voltar de Caminito.

Pra usar o transporte público você precisa do cartão Sube. Nas bancas de jornal ele custa $25 pesos, mas você conseguir de graça nos Centros de Atenção ao Turista. Daí é só carregar em qualquer estação do metrô. O legal é que o Sr. Jorge tem um lá no ap para os hóspedes com um pouco de crédito, e nós colocamos mais um pouco antes de usar.

Não sei se todas as linhas são assim, mas na D (verde), que foi a que a gente usou, você tem que ficar atento as estações. Uma gravação fala baixinho o nome da próxima parada, e não diz de que lado a porta se abre (pelo menos eu não ouvi).

Os ônibus tem um estilo retrô por fora bem lindinhos. No dia que nós fomos usar, estávamos esperando no ponto que ele pararia, e depois percebemos que aquela linha estava fazendo outro caminho, e passando pela rua da frente. As outras pessoas que estavam no mesmo ponto que a gente, também não sabiam dessa troca. Fomos para o ponto onde vimos que os ônibus estavam parando, e encontramos uma senhora, que disse que as vezes eles fazem isso mesmo. O ônibus dela estava chegando, ela deu sinal e ele não parou. Daí ela disse que isso também é comum de acontecer e disse “são uns cretinos” :D. Fomos andando com ela até o próximo ponto, e conseguimos pegar o nosso. Amém!

Pra pegar o ônibus, você diz ao motorista pra onde você vai, e por um controle que ele tem ali do lado, ele coloca valor da passagem e você encosta o cartão no leitor (igual dos ônibus aqui em São Paulo).

Além disso, nós andamos BASTANTE a pé! Só no segundo dia, foram quase 10km! Buenos Aires é uma cidade plana então, facilita a caminhada e vale muito a pena ir observando o caminho.

Internet

Nós não pegamos chip de internet. Como ficamos poucos dias, usávamos só o wifi do ap pra ver os lugares que a gente queria ir e como chegar lá, e as redes livres pela cidade.

Custo total da viagem (em valores aproximados)

Passagem R$2.500,00 ida e volta para duas pessoas (+ R$400 pela remarcação)
Quanto levamos pra gastar lá R$800,00
Alimentação em média entre $150 e $250 pesos por pessoa
Metrô e ônibus entre $6 e $7 pesos

Isso foi tudo o que eu consegui lembrar de informação sobre a viagem. Espero ter ajudado ;)


Comente sobre isso!

CommentLuv badge

Hey, It´s Mi! • todos os direitos reservados © 2017 • powered by WordPress • Desenvolvido por Responsivo por